Skip to content
19/03/2012 / Geane Aguiar

Acordou sem saber que nunca mais dormiria. Desintegrou sem que eu dissesse o quanto estava embriagado por seu repertório de deslumbramentos. Livre e condenado a não voltar. Não andará para trás para estancar hemorragias, reparar articulações inflamadas e expor lesões doloridas. O arrombo veio rápido, como ondas instáveis de desapego, desatentas à imprescindível rudez e aos inimagináveis esvaziamentos de choro. Tudo o que me resta são passagens. Misturadas, emboladas em nós, desarrumadas e ensolaradas, com raios de luz que embaçam a minha idealização. Com o tempo, suas partes definharam em um embalo nostálgico de tuberculose. Sem letras maiúsculas, sem pontos finais. E o que sobrou do que era já não será mais o bastante para quem já teve tudo de você. As cores desbotaram, violentaram a inquietação de arrependimento. As regras não valem mais.

Anúncios

14 Comentários

Deixe um comentário
  1. Juliana Machado / mar 19 2012 23:51

    Seus textos a cada dia mais incríveis, mais bem escritos, simplesmente maravilhosos de ler. Talento é isso, fazer a mesma coisa várias vezes e ainda assim conseguir transmitir sensações/resultados diferentes tão bons uns quanto os outros. Parabéns, irmãzona!

  2. Carol / mar 19 2012 23:52

    *_____* finalmente ♥

  3. Mariana Felix / mar 19 2012 23:54

    Isso me fez sentir um enorme vazio. Triste, melancólico, mas muito bonito de ler. Você tem o dom com as palavras, Ge. Te admiro desde o Fotolog kkkkkkkk 🙂

  4. Rafa / mar 20 2012 00:02

    Você descreve sentimentos com palavras que entram na gente. Como sempre seus textos são curtos,diretos e profundos ;*

  5. Thayná / mar 20 2012 04:06

    Como sempre arrasou no texto amor, parabéns! ♥ *-*

  6. Patricia Fernandez / mar 20 2012 14:07

    muito bom gostei!!! como sempre arrazando heim!! bjs bjs

  7. Monique / mar 23 2012 15:41

    Muito bacana, sua genialidade encanta e espanta a cada vez que entro no seu blog!! Página de qualidade, parabéns.
    Abraço.

  8. João Afonso / mar 23 2012 15:43

    É raro ver pessoas com um dom nato tão claro como o seu. Gostaria de ter sido abençoado com esse talento de escrever sensações e sentimentos de forma poética e coesa como você.

  9. Jeh / mar 23 2012 15:45

    Genteeee, esses textos são todos seus mesmo? Se forem, você está de parabéns, viu! Me faltam elogios pra você. Muito profundo, e mexe com a cabeça e o coração do leitor…

  10. Luana Butura / mar 24 2012 16:46

    Geeeeeeeeee *–*’ passei meses esperando pelos novos posts, achei que você tinha desistido 😥 e a cada dia você está mais talentosa, não é? Amei esse post, cheio se sentimento como todos os outros 😀
    Bjos! =**

  11. Kalleb / mar 24 2012 16:48

    Sempre impressiono-me com teu domínio da língua brasileira. Teu português é impecável e tira expressões e metáforas inacreditáveis da manga. Identifico-me com suas palavras e experiências. Parabéns por tanto talento.

  12. Brener / mar 24 2012 16:51

    Seu texto me trouxe recordações do meu pai, que faleceu há poucos meses. Tudo que ficam são, tão somente, memórias e vontades. De fazer, de falar, de querer e não poder…

  13. Carolina / mar 24 2012 20:30

    Vc ja pensou em escrever um livro? Muito bonitos todos seus posts, guria!

  14. Paloma Brunoro / mar 24 2012 20:34

    Você escreve magnificamente bem, não canso de dizer isso.. Muito intenso. Tiro o chapéu pra sua escrita. Estava com saudades disso aqui. 🙂

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: